Artes marciais como aliada no desenvolvimento social da criança

Como a atividade física pode otimizar a perda da gordura localizada
junho 6, 2017
Cinco dicas para auxiliar na busca da hipertrofia muscular
junho 22, 2017

Não faltam argumentos para convencer alguém das virtudes da prática de artes marciais. Além do ganho físico, a arte marcial é um dos principais meios de inclusão social e ocupa um lugar de ferramenta de fortalecimento ético, moral e corporal voltada à formação de um cidadão melhor. Através de orientação qualificada, traz benefícios para a formação do caráter e comportamento da criança auxiliando na educação, formação e desenvolvimento infantil através do aprendizado do respeito e da socialização.

Os principais benefícios da técnica para crianças e adolescentes são: o desenvolvimento físico, psíquico e social de forma integrada; a preparação para uma convivência harmônica no ambiente social e o estímulo pelo interesse em competir de forma sadia. Os pais precisam acompanhar a atividade dos filhos e reforçar em casa os motivos para a prática do esporte, salientando que não deve ser realizado com o intuito de gerar violência e nem brigas. Afastando assim, o risco da criança se tornar violenta.

Existem crianças com problemas de ansiedade e falta de paciência. Neste caso, as artes marciais irão proporcionar que os pequenos tenham mais controle de si em diversas situações do dia a dia. Não existem restrições de idade para começar a treinar. Pode ser iniciado ainda na infância, a partir dos dois anos, já que a prática auxilia na coordenação motora e no aperfeiçoamento dos reflexos. Dos dois aos seis anos de idade, a arte marcial deve ser apresentada de forma amplamente lúdica. A partir dos seis, como a criança já possui maior percepção das coisas, torna-se possível aplicar mais a disciplina do esporte.

Por Ronaldo Rocha, coordenador de lutas e professor de boxe da Academia Infinity.