Os benefícios do exercício físico na terceira idade

Suplementação pré-treino: um aliado na evolução muscular
julho 21, 2017
Corrida no frio: fique atento às nossas dicas!
agosto 11, 2017

O aumento do número de idosos tem instigado o desenvolvimento de estratégias que possam minimizar os efeitos negativos do avanço da idade cronológica no organismo. Estratégias essas que visam a manutenção da capacidade funcional e autonomia das pessoas que chegam a terceira idade.

O processo de envelhecimento está associado a alterações físicas, fisiológicas, psicológicas e sociais, bem como surgimento de doenças crônico-degenerativas advindas de hábitos de vida inadequados como tabagismo, má alimentação, tipo de atividade laboral, ausência de atividade física regular (principalmente), além do surgimento de doenças biológicas (obesidade, cardiopatias, diabetes, dislipidemias, articulares e neurológicas).  Todos esses fatores refletem na redução da capacidade de realização de atividades da vida diária e a dependência familiar.

A intolerância ao esforço físico torna o idoso dependente e o exercício físico e fisioterapia vêm como importantes assessorias na prevenção e na manutenção da saúde física do idoso. A prática regular de exercícios ao longo da vida aumenta a probabilidade de se manter a independência funcional por mais tempo, evitando com isso a necessidade de cuidados por terceiros para o desempenho de atividades diárias (alimentação, higiene pessoal, vestir-se, movimentar-se, fazer compras, tomar medicamentos, etc.)

A importância tanto de exercícios aeróbios, quanto de força é de grande valia, uma vez que cada tipo de exercício trará benefícios fisiológicos diferenciados.  Os exercícios aeróbios como  caminhar, correr, hidroginástica, pedalar, nadar, dentre outros, são ideais para promover a perda de peso, estimular o metabolismo lipídico, reduzir a gordura corporal,  e ainda melhorar o sistema cardiorrespiratório (manutenção da frequência cardíaca equilibrada e pressão arterial controlada).

Por outro lado, os exercícios de força muscular ajudam na melhora da perda de força que têm um grande impacto sobre os níveis de independência funcional nas idades mais avançadas, uma vez que os mesmos estão associados a uma menor velocidade de caminhada e aumento do risco de quedas e fraturas. O treinamento de força induz a melhorias na função e estrutura muscular, articular e óssea, bem como metabólica e cardiovascular.

O Pilates é um dos exercícios mais completos e sem impactos articulares, onde se trabalha a flexibilidade muscular, força muscular, coordenação, equilíbrio, mobilidade articular, reeducação postural e a respiração. Benefícios como participação e interação social também estão presentes nesta prática esportiva.

Por Viviane Sampaio – Fisioterapeuta e professora de Pilates da Infinity